Texto do Felipe Lenhart para o Diário Catarinense sobre a atuação destacada dos manifestantes contra o Golpe em Florianópolis no dia 2 de setembro. Análise acertada do Professor Jacques Mick:
“Eles se mobilizam em rede e se organizam de maneira descentralizada, bem diferente do que sempre aconteceu nos anos 80 e 90″. Também abordei isso em 2013.
Daí minha incredulidade ao ver as “autoridades” na TV falando em responsabilidade dos organizadores por vandalismos. Eles mesmos sabem que este tipo de movimento não tem liderança, mas precisam dar alguma satisfação ao telespectador que não se deu conta do poder de uma multidão conectada.

Tanto sabem que, conforme relatos, passaram a sexta-feira tentando desmobilizar grupos de jovens reunidos pela cidade, de forma totalmente arbitrária e inconstitucional.
Quando carros de som e bandeiras partidárias começam a ser substituídos por mídias sociais e bandeiras pretas, é o momento de parar de procurar intermediadores e começar a resolver as causas que levaram as pessoas para as ruas.